Você é a favor de câmeras espalhadas pela escola?

Tags: ,

Há um Projeto de Lei proposto pelo deputado Francisco Rossi (PMDB) tramita em caráter conclusivo na Câmara dos Deputados que prevê a instalação de câmeras de videomonitoramento nas escolas públicas e particulares de todo o país.

O Jornal A Gazeta entrou em contato comigo para saber qual a minha opinião a respeito e lhes disse que acho que há muito mais pontos positivos do que negativos. Esta minha afirmação não está direcionada ao desempenho do professor em sala de aula, porque o bom profissional atua de forma comprometida independente de ter câmera ou não em sala de aula. E também os pais ao escolherem uma escola para seus filhos, principalmente as particulares, têm que confiar nesta escola, caso contrário, independente de ela ter câmeras ou não, deve procurar outras opções.

Porém no caso das escolas públicas sabemos que elas acolhem os alunos da comunidade a que pertencem e é com frequência que tomamos conhecimento de professoras não qualificadas que tratam as crianças com agressividade e que provocam indignação e revolta como me manifestei neste post ao citar uma creche onde as professoras agrediam crianças de dois anos.

Estas ações só foram constatadas após a instalação de câmeras nas salas de aula.

Também estamos sempre entrando em contato com casos de bullying que tem o espaço escolar como seu campo de ação e que dificulta, devido as próprias características, a identificação de seus agressores.

Temos sabido também de crianças que foram esquecidas na escola e lá ficaram trancadas até que alguém desse conta de seu desaparecimento. Casos de destruição do ambiente escolar e atos de vandalismo que poderão ser identificados, inclusive, no momento em que estão sendo realizados.

Enfim, há uma variedade e uma quantidade grande de situações que poderão ser prevenidas com o uso do monitoramento através de câmeras. Algumas cidades adotaram este recurso e o número de furtos e brigas diminuiu consideravelmente. Os edifícios, comércios e algumas residências também adotaram este sistema e o resultado não poderia ter sido melhor.

Algumas escolas também já aderiram a este recurso há algum tempo como vocês podem comprovar nesta reportagem e o resultado é o melhor possível.

Eu, particularmente, não sou favorável ao acompanhamento dos pais via imagem em tempo real, pois estes acabariam perdendo o foco principal que é a aprendizagem do seu filho. Como disse acima o pai tem que confiar na escola do seu filho.

E você é favorável a instalação de câmeras na escola do seu filho?

Comentários (2) 06/06/2010

Quanto você investe na educação do seu filho? #educacao #financas

Tags: , ,

Esta é uma pergunta que todo pai se faz ao final de cada ano. Quanto foi investido na educação do filho?

Garanto que não é pouco, principalmente se a criança estuda em escola particular. Segundo o professor de Economia da Trevisan Escola de Negócios, Alcides Leite a família de classe média emprega 25% do seu orçamento familiar em escola.

Isto é ruim? Eu digo que não. Tudo que é investido em educação traz bons frutos. Tudo bem, eu sei que a educação deveria ser gratuita para todos, porém a realidade do nosso país não é esta.

Hoje, as escolas têm preocupação em desenvolver o aluno de forma integral, ou seja, além da cognição é importante que o aluno desenvolva a parte motora, a lateralidade e noção espacial, a socialização, o cumprir regras, enfim todas as competências e habilidades fundamentais para o seu desenvolvimento como um todo.

Para os pais, estas ofertas são muito importantes, pois devido a impossibilidade de ficar levando e buscando o filho no judô, inglês, balé, etc.. pois estão no trabalho, a escola oferecer estes cursos extracurriculares no próprio espaço escolar, torna tudo muito mais atraente e vantajoso.

É importante que o pai fique sempre atento ao valor que está sendo cobrado não permitindo que seja exorbitante, porém a comodidade de o filho já estar no ambiente onde estas atividades são desenvolvidas têm que ser computado.

É importante também que os pais não se deixem deslumbrar pelo excesso de ofertas de cursos extracurriculares, deixando a parte pedagógica em segundo plano. Há casos em que os pais só comentam que a escola oferece isso e aquilo enquanto que a parte pedagógica fica esquecida.

O objetivo principal da escola é a aprendizagem. A outra atividade vem complementar (são importantes também), porém não devem sobrepor o desenvolvimento cognitivo.

Este investimento na educação feito pelos pais é o diferencial que o filho precisa para se destacar, principalmente, na sua vida profissional.

O “estudar” acompanha o jovem de hoje por um período muito maior do que o das gerações passadas. Segundo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)

“os dados mostram ainda que quanto a maior a faixa etária do jovem, maior a taxa de analfabetismo. Entre os jovens de 15 a 17 anos, 1,7% são analfabetos – em 1998, o índice era de 8,2%. Entre os de 18 a 24 anos, 2,4% são analfabetos – eram, em 1998, 8,8%.”

Esta realidade impulsiona o jovem, motivado pela independência financeira, a tentar ingressar no mercado de trabalho cada vez mais cedo, porém as oportunidades ainda são restritivas, pois a exigência de “experiência” ainda é um fator predominante nas empresas. A partir dos 16 anos o jovem pode ingressar “como estagiário” ou trainee onde participará de treinamentos e avaliações que contribuirão para o desenvolvimento de suas competências.

Há grandes chances de, após o tempo acordado, vir a ser efetivado. Isto vai depender do desempenho e comprometimento apresentado durante todo o período em que esteve na empresa.

Este é um dos caminhos para ingressar no tão competitivo e exigente mercado de trabalho.

Enquanto o jovem não consegue arranjar um emprego, ele continua estudando e consumindo os 25% do orçamento familiar.

Comentários (0) 02/04/2010

Movimento + Feliz

Tags: , ,

“Já somos milhares e queremos ser milhões”.

Este é o desejo do movimento não governamental e apartidário “ + Feliz” que une pessoas com um único objetivo: envolvimento e doação para causas sociais.

Neste momento o beneficiado é a Cidade Escola Aprendiz que tem por objetivo transformar locais abandonados como praças, becos, teatros desativados em locais de aprendizagem, de convívio produtivo e de desenvolvimento de competências e habilidades. O Projeto ensina a Ser, a Fazer, a Conviver.

A meta do Movimento + Feliz é reproduzir este projeto em todo o Brasil transformando bairros em escolas a céu aberto.

A Cidade Escola Aprendiz frequenta as salas da Universidade de São Paulo e tem o reconhecimento do UNICEF, da UNESCO e da Harvard.

Você se interessou pelo assunto? Então se informe de que maneira você pode participar.

Eu estou doando o meu tempo 2.0 e estou feliz por compartilhar com vocês este movimento tão sério e significativo.

Veja outras atuações do Movimento + Feliz no post da @saamegui no A Vida como a Vida Quer.

Participe e seja “+ Feliz”

Comentários (0) 11/17/2009

Plantão Twitter

Tags: , , ,

O Twitter, para quem ainda não conhece (o que eu acho difícil) é uma rede social que possibilita uma interação objetiva e instantânea através de 140 caracteres.

Através deste microblog você pode interagir com pessoas em tempo real e mesmo que você tenha que se ausentar, quando voltar, saberá do retorno e poderá retomar o assunto, caso seja conveniente.

Você segue pessoas no Twitter e pode escolher estas pessoas por afinidade, por amizade, por interesse profissional, por curiosidade, enfim, você estabelece o critério pelo qual se interessará em seguir uma determinada pessoa.

É um local onde pessoas comuns e pessoas famosas se encontram para tuitar.

Por que então não usar esta ferramenta na Educação?

Os atuantes na área de Educação precisam estar atentos ao que acontece ao seu redor. Precisam se interessar em conhecer sua funcionalidade e perceber que seu uso pode trazer imensos benefícios para a escola, para o professor, para o aluno e para a interação de uns com os outros. Todos em sintonia e com objetivos comuns.

  • A dúvida de um aluno pode ser a dúvida de muitos, logo ao responder para um estará privilegiando muitos;
  • A troca entre os alunos será muito mais eficaz e constante com o uso desta ferramenta;
  • As informações e avisos importantes podem e devem ser transmitidos através do Twitter;
  • O professor pode acompanhar como está sendo a participação dos alunos e corrigir caso perceba que houve uma interpretação errada do trabalho ou do tema em destaque.
  • Se o tema é meio ambiente e o professo leu um artigo interessante que pode complementar o estudo, ele pode sugerir, via twitter, a leitura indicando o link;
  • Os alunos após a leitura do artigo poderão comentar propiciando uma discussão enriquecedora. Tudo de forma objetiva, afinal tudo deve ser dito em 140 caracteres; Tuitar é um bom treino para a objetividade.

Você ainda não se convenceu de que o Twitter é uma excelente ferramenta para a Educação? Então veja esta simulação:

O aluno ao interagir se motiva com a motivação dos colegas. O professor tem uma perfeita visão de como os alunos estão trabalhando, se entenderam a proposta, se precisam de mais algum esclarecimento.

Até o professor pode se beneficiar das interações e tornar a aula mais elaborada.

Gostou da sugestão?

Então experimente e depois compartilhe os resultados com a gente!

:)

Comentários (3) 10/29/2009

Quem disse que a escola não evoluiu?

Tags: , ,

Recebi esta imagem da minha amiga Natty editora do blog Gibiteca.com.

Achei realidade pura!

Por isso estou compartilhando.

Comentários (0) 06/16/2009

Adaptação escolar – estresse para mães e filhos

Tags: , ,

Ao se falar de adaptação escolar não se está focando somente à criança. Os pais, tanto quanto a criança, também se sentem angustiados e acabam ficando estressados com o fato.

O primeiro contato com a escola pode vir envolvido em várias atitudes, na maioria das vezes, prevista pelos profissionais da educação. Tanto a criança quanto a mãe/pai sente ansiedade, medo e insegurança. Todos estes sentimentos são normais, afinal é uma experiência nova que será vivida e compartilhada entre ambos.

A criança começará a frequentar um lugar, até então para ele estranho, e também estará experimentando a separação. A separação parece ser um episódio ruim, mas na verdade estará fortalecendo o desenvolvimento emocional. A vida é repleta de encontros e separações. A escola não é diferente. Ela promoverá encontro com crianças da mesma idade e um ambiente todo voltado à criança e promoverá a separação, por pouco tempo, da família.

Estas mesmas angustias são vividas pela mãe. Ocorre que a mãe tem que se manter segura para passar segurança para seu filho. A criança da Educação Infantil passará a freqüentar um local totalmente preparado para ela. Tudo ali é do tamanho dela, bem colorido, cheio de objetos interessantes e motivadores. É na escola que ela iniciará a sua convivência numa sociedade mais ampla da até então convivida – a família.

Os pais ocupam papel importantíssimo nessa experiência e devem dar todo o apoio, interesse, ajuda e motivação. Toda criança irá enfrentar o “primeiro dia de aula” e terá que absorver que a separação existente é momentânea e que, com certeza, sua mãe não a está abandonando e que logo voltará para buscá-la. Como a criança pequena não tem noção de tempo, o período que a mãe a deixará na escola significará um abandono total. Porém, à medida que ela for percebendo que sua mãe a deixa ali, mas logo volta para buscá-la, ela começará a se sentir segura e então se soltará e começará a participar da rotina da escola mostrando que venceu o período de adaptação.

É justamente para transmitir esta segurança que a mãe tem que estar segura e mostrar para o filho que logo ela volta. E tem que voltar mesmo, procurando no início chegar um pouco antes da saída dos outros coleguinhas, porque se a criança em adaptação percebe que os amiguinhos estão indo embora e ela não, então pensará que foi abandonada. Por isso, mãe, não se atrase para buscar seu filho nos primeiros dias de aula, mesmo que seu filho já tenha ido para a escola no ano anterior. Este respeito é muito importante.

Outros tópicos foram elencados no texto Adaptação escolar do site Mães com Filhos onde também escrevo. Há muito que se falar sobre adaptação escolar e é sempre bom fazer leituras que ajudem a enfrentar este momento angustiante.

Boa sorte!

Comentários (0) 01/29/2009